Colocar Resposta 
 
Avaliação do Tópico:
  • 0 votos - 0 Média
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Passerelle
05-24-2013, 05:31 AM
Mensagem: #1
Passerelle
É uma casa que tem dois ícones. O patrão que foi enjaulado por alegado tráfico de mulheres e o portas que nos cumprimenta com uma cordialidade invulgar. Independentemente dos laços de afinidade, ou da assiduidade na casa, saúda-nos como se fossemos família. Bem haja o velhote Smile

Na última vez que lá passei, e talvez inspirado pelo isco deixado aqui há atrasado pelo Mestre Johnnie, afeiçoei-me por uma belga, casus rarus num habitual mar de brasileiras. Já nos 30's e grande para lá do razoável, dá nas vistas exactamente pelos argumentos físicos que nunca mais acabam.

Conversámos um bom bocado, até que me prometeu que me faria tudo num privado. Só tínhamos de esperar que o local vagasse. Mesmo alcoolizado, nunca admiti que tudo incluísse pinocar, obviamente. Acho que se referia a brincadeirinhas eróticas soft-porn. Não me dava pormenores, apenas me assegurava que iria ser inesquecível. Um misto de marketing com paleio.

Achei aquilo verosímil por uma particularidade: enquanto esperávamos pela melhor oportunidade, nunca me aliciou a pagar bebidas (só ia cravando uns cigarros).

Uma hora depois de joelho-dela-roçando-nos-meus-argumentos e de minha-mão-nos-argumentos-dela, a belga granjola foi perguntar à gerência porque razão o privado nunca mais vagava. A resposta era um doido que estoira ali semanalmente centenas de euros com privados. E a coisa prometia durar até ao fecho. Sem extras, recusei cordialmente e ela compreendeu

Fora este incidente, sempre foi espaço que nunca mereceu grande privilégio nas minhas escolhas, exactamente pela inexistência do efeito-surpresa. Mas a belga ficou-me no goto
Procurar todas as mensagens deste utilizador
Citar esta mensagem numa resposta
Colocar Resposta 


Saltar Fórum:


Utilizadores a ver este tópico: 1 Visitante(s)